Visita ao Campo de Concentração de Dachau a partir de Munique

O campo de concentração de Dachau foi o primeiro campo nazista. Ele serviu de modelo para os demais e abrigou a chamada “Escola de Violência” da SS (a “Schutzstaffel” ou “Tropa de Proteção” em português).

Campo de Concentração de Dachau

Não sei se vocês sabem, mas Dachau é uma cidade que fica a cerca de 30 km de Munique. Pela sua proximidade da capital da Baviera, muitos turistas que vêm a Munique optam por visitar o Campo de Concentração de Dachau durante sua passagem pela cidade.

 

Um pouco de história

Portão do Campo de Concentração de Dachau

Em 22 de março de 1933, poucas semanas após Adolph Hitler se tornar chanceler, foi aberto um campo de concentração para presos políticos em Dachau. Esses presos eram principalmente comunistas e social democratas. Na entrada do campo, havia um portão com a frase “O Trabalho Liberta”, sugerindo que aquele local era voltado para reabilitação daquelas pessoas através do trabalho.

Nos doze anos de sua existência, mais de 200.000 prisioneiros passaram pelo campo de concentração Dachau, assim como pelos seus campos subjacentes. Além de presos políticos, ao longo da década de 30, Dachau passou a abrigar judeus, Testemunhas de Jeová, ciganos, homossexuais, religiosos, entre outros grupos que se opunham ou não correspondiam aos ideais nazistas.

Uma em cada cinco pessoas que passou pelo campo de Dachau morreu ali dentro. Oficialmente 31.951 pessoas perderam suas vidas no campo. Mas, a verdade é que milhares de mortes não foram contabilizadas e até hoje não se pode estimar quantas foram.

As tropas norte-americanas libertaram o campo de concentração de Dachau em 29 de abril de 1945, um dia após a SS abandoná-lo. Após esta data, o campo foi utilizado como prisão para os próprios nazistas que aguardavam julgamento. Posteriormente, serviu para acolher refugiados.

Vários pontos de interesse no Campo de Concentração de Dachau

Por iniciativa dos próprios sobreviventes, que se organizaram no Comitê Internacional de Dachau, com o apoio do estado da Baviera (cuja capital é Munique), foi inaugurado em 1965 o Memorial que hoje pode ser visitado ao longo de todo o ano (com exceção do dia 24 de dezembro).

Além de ser um lugar de interesse histórico, o antigo campo de concentração de Dachau é um museu e um cemitério, onde jazem as cinzas e restos mortais de milhares de pessoas que tiveram suas vidas ceifadas pela perversidade dos princípios nazistas. Cerca de 700.000 pessoas visitam o Campo de Concentração todos os anos.

O que ver no Campo de Concentração de Dachau

Como o campo é bem grande, o ideal é fazer uma visita guiada para não perder tempo e conhecer os principais pontos de interesse, que são os seguintes:

  • Os bunkers, as antigas prisões do campo, onde os prisioneiros poderiam passar meses em solitárias. As prisões eram também um local onde costumavam acontecer muitos abusos e torturas. Um local de muito sofrimento.
  • Edifício da Manutenção, onde os prisioneiros eram registrados e deixavam os seus pertences. Posteriormente, passavam pelo banho de desinfecção, tinham os pelos do corpo raspados e ganhavam um uniforme listrado (azul e branco), que continha um triângulo de identificação em um dos braços, assim como um número, que estava ligado ao seu cadastro. Neste edifício existe uma exposição permanente que conta a história do campo, com muitas fotos, documentos e até com um cinema, que exibe um documentário sobre o campo de concentração.
  • Sistema de seguranças com torres de vigilância, cercas eletrificadas, fosso e muro.
  • Barracão reconstruído, representando os dormitórios dos prisioneiros e suas alterações ao longo dos anos.
  • Antigo crematório
  • Barracão X, onde foi construída a primeira câmara de gás e onde também há um crematório com maior capacidade que o Antigo Crematório.
  • Locais diversos onde foram depositadas as cinzas e enterrados corpos de milhares de prisioneiros.
  • Memoriais religiosos: a Capela Católica Agonia de Cristo (1960), a Igreja Evangélica da Reconciliação (1967), a Capela da Ressurreição Ortodoxa (1995) e o Memorial Judaico (1967)

Além das dependências que compõem o campo de concentração em si, há ainda um centro de visitantes, onde se localizam um café, uma livraria e banheiros.

 

Vale a pena visitar?

Campo de Concentração de Dachau

Muita gente que faz passeios comigo pergunta se não é muito deprimente visitar um campo de concentração.

É claro que Dachau é um lugar que evoca memórias de um período muito triste da nossa história. Por outro lado, acho que a oportunidade de conhecer um campo de concentração é válida não só pela sua importância histórica, mas principalmente para refletirmos sobre valores e os rumos que a humanidade pode vir a tomar, se não aprendermos com os erros do passado.

Enfim, claro que se trata de uma decisão pessoal. Mas acho que vale a pena sim visitar um campo de concentração como o de Dachau. Aliás, se quiser nossa companhia para a visita, entre em contato com a gente e peça mais informações sobre o tour!

Sobre Márcia Oliveira 78 Artigos
Márcia Oliveira é uma carioca completamente apaixonada por viagens. Atualmente mora em Munique, na Alemanha, onde trabalha como guia de turismo para brasileiros. É formada em jornalismo, tem paixão por fotografia e tecnologia. Ama a família e os animais. Aprecia as coisas simples da vida. E adora escrever no blog e receber mensagens dos leitores!

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*